Como gerir uma escola?

*Por Ana Paula A. Mustafá Mariutti 

Assim como muitas empreendimentos educacionais de gestão familiar, a história da Builders Educação Bilíngue e da Garatuja Educação Infantil (BG) não foi diferente. Eu e minhas duas irmãs, todas formadas em Pedagogia, iniciamos um negócio que começou pequeno, em que inicialmente dávamos aulas e fazíamos todo o resto do trabalho. Isso demandou formação contínua de nossa parte para que, com o crescimento no número de alunos, deixássemos de ser professoras para gerir o que se tornou um negócio com um lindo propósito e que desejamos que se mantenha sustentável por muitas gerações.

Sempre nos cercamos de assessores para nos ajudar nas expertises que não tínhamos, especialmente nas

As diretoras e fundadoras da BG Ana Lúcia A. Mustafá Nunes, Ana Paula A. Mustafá Mariutti e Ana Célia M. Campos com sua mãe, Vilma, e a orientadora pedagógica, Cristina Navarenho Santos Zanetti

áreas financeira e administrativa. E o que aprendemos? Que ferramentas de gestão, aplicadas em empresas de diferentes segmentos, mas pouco comuns na área de educação no Brasil, são essenciais para garantir a saúde de um negócio em todos os aspectos. E assim seguimos com a implementação de um plano estruturado, totalmente inovador para o segmento, que permitiu profissionalizar a administração das escolas, mas sem perder nossa ideologia, a Educação através do Amor, e o cuidado com pessoas, características que sempre nos destacaram.

O passo a passo para a gestão escolar

O processo de profissionalização das escolas foi gradual, seguindo um plano com metas de curto, médio e longo prazo, e que atualmente compõe um cenário bem estruturado, com líderes preparados para a gestão de seus colaboradores e equipes bem alinhadas.

Mas, afinal, de quais recursos dispomos hoje? Alguns exemplos são:

  • Descrição de cargos;
  • Workshops semestrais com colaboradores para reforço da ideologia das escolas;
  • Manuais de áreas com procedimentos específicos de cada função;
  • Manuais de colaboradores e pais com as principais normas da escola;
  • Processos e fluxogramas multifuncionais;
  • Política de Segurança da Informação;
  • Registro das atas de reunião com acompanhamento de pendências;
  • Planilha de gestão de tempo para definição de prioridades;
  • Esquema de trabalho baseado em reuniões de alinhamento, definição de tarefas e responsáveis, gestão por competências e feedback contínuo para avaliação dos resultados.
  • Processo de feedback estruturado envolvendo avaliação 360º e avaliações individuais.

Acreditamos que estas ações foram chave para o sucesso e longevidade das nossas escolas. O objetivo sempre foi manter negócios sustentáveis, o que significa que as melhorias e a busca por processos, sistemas e técnicas de gestão inovadoras estão no DNA da BG, garantindo que as futuras gerações possam continuar contando com a mesma qualidade de serviço que prestávamos quando abrimos as escolas e atuávamos como professoras em sala de aula.

* Ana Paula é diretora administrativa da Builders Educação Bilíngue e da Garatuja Educação Infantil

Relaxamento

Meditação: as crianças também merecem essa pausa?

Por Miriam Santos*

“Somos o que pensamos, tudo o que pensamos surge com nossos pensamentos. Com nossos pensamentos, fazemos o nosso mundo.”

Essa frase de Buda sintetiza o eixo central do pensamento e da filosofia que explica a meditação, técnica largamente usada nos países orientais e que vem conquistando aos poucos o Ocidente. O princípio da meditação está na conexão que estabelecemos conosco e com as energias ao redor. Transforma o cansaço e o desgaste em energia para as atividades diárias, além de auxiliar a respiração e a concentração.

E as crianças podem se beneficiar dessa prática? Sem dúvida, especialmente se levarmos em consideração que as novas gerações estão cada vez mais ansiosas, pois já lidam com questões como bullying, cobranças por resultados na escola e uma alta carga de estímulos visuais e de conteúdo.

Saiba como inserir a meditação na rotina da criança

A meditação traz uma pausa, um momento para equilibrar emoções. Ao ser incorporada à rotina, proporciona a melhora da concentração, memória e do relacionamento com pais e colegas; aguça a percepção dos sentimentos; aumenta a autoestima e o controle emocional; oferece a sensação de relaxamento e melhora a qualidade do sono.

Gosto de trabalhá-la de maneira integrada ao yoga e técnicas de respiração. Os meus alunos de 4º ano têm aulas semanais de yoga, como parte complementar da grade curricular do Ensino Fundamental. As atividades diárias são pensadas a fim de diminuir a correria do cotidiano a qual estão submetidos. Incluo nessas atividades músicas clássicas e instrumentais, a pintura de mandalas e prática da massagem, na qual são ensinados a dar e receber os movimentos. Em dias alternados, massageadores capilares ou luvas massageadoras são adicionados. Em outros momentos, os próprios alunos optam pela contação de histórias. Diariamente, após o almoço, trabalho um desses relaxamentos aqui citados.

A transformação é impressionante. Um olhar mais cuidadoso e atento é despertado nas crianças, que aprendem a se observar, entender suas emoções e cuidar dos outros. E afirmo também que a transformação ocorre em mim, já que os momentos de reflexão e paz que compartilho com os alunos proporcionam muitas trocas e aprendizado.

Introduzir a prática da meditação na rotina fora da escola é mais simples do que se imagina. Um simples passeio no parque com um olhar mais contemplativo para a natureza, prestando atenção ao sons ao redor ou envolver as crianças em atividades lúdicas e prazerosas, que requerem concentração, como a pintura, é o suficiente para as famílias despertarem para momentos mais reflexivos e de paz em conjunto. E, assim, transformarem  o seu mundo a partir de pensamentos mais positivos.

*Miriam Santos é professora do Ensino Fundamental da escola Builders Educação Bilíngue