Por Fernando Brandão – Professor de Cultura Brasileira

A brincadeira como atividade dominante da infância é, primordialmente, a forma pela qual a criança começa a aprender, é onde tem início a formação de seus processos de imaginação ativa e, onde ela se apropria das funções sociais e das normas de comportamento que correspondem às pessoas.   

A brincadeira é o lugar principal da aprendizagem. Na medida em que vão crescendo, as crianças trazem para elas o que veem, escutam, observam e experimentam. As brincadeiras ficam mais interessantes quando as crianças podem combinar os diversos conhecimentos a que tiveram acesso. Nessas combinações, muitas vezes inusitadas aos olhos dos adultos, as crianças revelam suas visões de mundo, suas descobertas.

Através do simbólico, do jogo e da brincadeira, a criança irá entender o mundo ao redor, testar habilidades físicas (correr, pular), funções sociais (ser o construtor, a enfermeira, a secretária), aprender as regras, colher os resultados positivos ou negativos dos seus feitos (ganhar, perder, cair), registrando o que deve ou não repetir nas próximas oportunidades (ter mais calma, não ser teimoso). A aprendizagem da linguagem e a habilidade motora de uma criança também são desenvolvidas durante o brincar.

O brinquedo contribui no desenvolvimento da criança e no processo de ensino aprendizagem, pois estimula a capacidade de imaginação e criatividade e com isso a criança exterioriza sentimentos e vontades com base na vida real, ou seja, ele é um motivo para a ação.

Também permite que as crianças aprendam a conviver respeitando as diferenças, objetivo muito importante para o seu desenvolvimento, pois atitudes de tolerância e respeito surgem do afeto e do conhecimento mútuos.

Nas brincadeiras infantis, as crianças conseguem integrar as diferenças de modo a cada uma jogar em função das suas capacidades e características, sem maiores problemas. Pode ser que surjam dificuldades posteriormente, se antes não tiveram a possibilidade de experimentar estas relações de convivência e aceitação mútua. Apesar de ter suas particularidades, estas tendências são igualmente perceptíveis em relação às diferenças de capacidade intelectual, de gênero, sociais e culturais. Desenvolver estas qualidades implica uma vontade explícita de intervenção educativa, tanto na família como na escola ou noutros âmbitos da comunidade, uma vez que os valores das atividades lúdicas refletem os da sociedade.

Não é obra do acaso que o princípio 7.º da Declaração Universal dos Direitos da Criança reconhece a importância do brincar, equiparando-a a direitos tão reconhecidos como a alimentação ou a saúde.

É necessário valorizar a brincadeira desde o nascimento da criança como elemento para a construção de ações sensório-motoras. Pela brincadeira a criança aprende a se movimentar, falar e desenvolver estratégias para solucionar problemas.

      A brincadeira permite extravasar sentimentos, auxilia na reflexão sobre a situação, criando várias alternativas de conduta para o desfecho mais satisfatório ao seu desejo.

O ato de brincar com outras crianças favorece o entendimento de certos princípios da vida, como o de colaboração, divisão, liderança, obediência às regras e competição. Jogar irá permitir à criança realizar o seu eu, construindo assim a sua personalidade e desenvolvendo a linguagem.

                            

                                           

Tags: No tags

Leave a Comment