Abuso infantil: como prevenir

Abuso infantil: vamos educar e proteger nossas crianças?

Por Cristina Zanetti*

O abuso infantil é um tema complicado e difícil de ser abordado, seja pelos tabus que o cercam, preconceito ou silêncio das vítimas que, muitas vezes, levam anos para contar a alguém sobre o ocorrido. Temas incômodos não devem ser interditados às crianças. É preciso conversar sobre morte, doença, tristeza, violência e abuso infantil. A escola, junto com as famílias, tem papel importante e não deve abrir mão dessa responsabilidade.

O objetivo do programa “Meu corpo é um tesouro”, desenvolvido na Builders com crianças de 4 a 10 anos de idade, é abrir um espaço dentro da escola para discutir o tema de uma forma bem lúdica. Histórias, desenhos e rodas de conversa são utilizados. Dessa forma, ensinamos as crianças a diferenciar um toque “OK” (de carinho) de um “NÃO OK” (erotizado) para prevenir e impedir o abuso. Elas também precisam saber nomear corretamente as partes do corpo, identificar o que é íntimo e não permitir que ninguém toque as suas partes íntimas ou, o contrário, que não toque nas partes íntimas de ninguém.

Abertura para falar e ouvir

Informadas, as crianças se sentem mais seguras e capazes de identificar o perigo. Assim, evitam situações de risco de abuso e opressão procurando ajuda de um adulto de confiança. Elas compreendem que não devem guardar esse tipo de segredo e possíveis vítimas se sentem empoderadas a falar. Romper o silêncio é uma forma ativa de lidar com o problema, impedindo que o abuso inicie ou que continue acontecendo.

O projeto também acaba incentivando pais e mães a conversar com seus filhos e filhas, e as famílias passam a ter uma escuta mais atenta. As crianças precisam saber que podem falar e que serão ouvidas em casa e na escola, sem julgamentos. Esse é um caminho importante para fortalecer ainda mais a relação de confiança das crianças com pais e professores.

Impedir os abusos na infância é tarefa de todos, por mais incômodo e difícil que seja. Vamos juntos nessa importante tarefa: prevenir e combater o abuso infantil!

Clique aqui para saber mais sobre o “Meu corpo é um tesouro”.

Conheça aqui todos os nossos programas de educação socioemocional.

*Cristina Zanetti é Orientadora Educacional da Builders Educação Bilíngue

Educação Socioemocional

Educação Socioemocional: os monstros que a gente cria!

Por Cristina Zanetti*

Quando algo não vai bem, quando estamos em um dia ruim ou quando tudo parece dar errado, podemos nos sentir tristes, irritados, com raiva ou medo. Pequenas coisas do dia a dia podem se transformar em grandes monstros na nossa cabeça. São monstros que nos atrapalham, nos machucam (machucam os outros) e nos fazem sofrer.

O programa da Builders Monstros que a gente cria foi pensado para acolher as emoções das crianças de 6 a 8 anos de idade. O objetivo é que se sintam seguras em compartilhar os próprios sentimentos e possam, aos poucos, perceber o impacto de suas atitudes no outro.

Clique aqui para saber mais sobre o programa Monstros que a gente cria.

Aprendendo a reconhecer os sentimentos

Chamamos a capacidade de identificar e nomear os sentimentos (em si e no outro) de alfabetização emocional. No entanto, esse processo vai muito além de enriquecer o vocabulário das crianças. Ele visa estimular o autoconhecimento e o desenvolvimento de importantes habilidades sociais. Por meio de histórias, vivências, desenhos e rodas de conversa, os alunos são convidados a refletir sobre o que sentem para que entrem em contato com seus “monstrinhos” internos.

É um projeto maravilhoso que extrapola as paredes da sala de aula. Podemos ver seu efeito nos corredores da escola! Percebemos que as crianças têm sua capacidade de diálogo ampliada, pois se posicionam mais e desenvolvem a capacidade de escuta. Dia desses ouvi a seguinte conversa entre dois meninos de 8 anos:

  • Por que você não está falando comigo?
  • Ué, você me ignorou quando eu te chamei lá na quadra!
  • Eu não!
  • Ignorou sim!
  • Eu nem ouvi você me chamando!
  • Chamei duas vezes!
  • Foi mal, nem percebi!

Algo muito além de empurrões ou do “professora, fulano está me ignorando!”, seguido de “pare com isso, fulano, peça desculpas agora”.

A importância de desenvolver a inteligência emocional é para a vida! Aprender a se colocar para o outro (e no lugar do outro) vai tornar as crianças mais sensíveis e abertas para as relações; vai aumentar a autoestima, a autoconfiança e vai diminuir os níveis de ansiedade e estresse, elevando a capacidade de resolver conflitos e desenvolvendo a habilidade de conviver em harmonia.

*Cristina Zanetti é Orientadora Educacional da Builders Educação Bilíngue

Bilinguismo: dúvidas mais comuns

Bilinguismo: quais as dúvidas mais comuns?

O bilinguismo sempre levantou dúvidas e debates, especialmente na educação das crianças mais novas. Na busca pela primeira escola, nem sempre o fator “bilíngue” aparece como importante, e por qual motivo?

Nos atendimentos a visitantes em nossa escola, é comum ouvirmos de pais e mães que os espaços físicos e a proposta pedagógica são suas maiores preocupações na hora de escolher o local que acolherá seus filhos. E, sem dúvida, são elementos importantes. No entanto, ao explicarmos o bilinguismo, nos deparamos sempre com duas perguntas.

A primeira pergunta está relacionada à crença de que crescer com duas ou mais línguas pode ser prejudicial à criança. A fase da primeira infância, que vai até os seis anos de idade, é marcada por intensos processos de desenvolvimento. Ao começar a alfabetização, as crianças já têm pleno domínio verbal sobre a língua. A comunicação é feita perfeitamente, mesmo que não saibam ler e escrever. Expô-las ao aprendizado de um novo idioma fará com que aprendam de maneira mais orgânica e natural que um jovem ou adulto. Sem falar que comprovadamente o aprendizado de línguas influencia positivamente a formação cerebral, estimulando a criatividade, o raciocínio lógico e o desempenho em atividades de memória e atenção. 

Engana-se porém quem acredita que basta expor a criança a um novo idioma que ela naturalmente irá adquirir fluência. De acordo com a diretora pedagógica Ana Célia Mustafá Campos, a aquisição do segundo idioma ocorre aos poucos. “A exposição ao inglês na Builders acontece em situações contextualizadas e significativas. A partir do momento em que ingressam na escola, os alunos gradativamente conseguem seguir instruções, ampliam o vocabulário, e se tornam cada vez mais capazes de se expressar no idioma”, complementa. 

E agora? Eu não falo inglês!

E aí vem a segunda pergunta: e se a família não falar inglês em casa? 

A resposta é: não tem problema. Se os responsáveis têm conhecimento da língua, podem se comunicar com a criança sem constrangimento, ainda que a pronúncia não seja perfeita. O importante é que na escola ela estará em contato com bons modelos de linguagem, o que garantirá o aprendizado e a pronúncia corretos.

Vale lembrar ainda que a aquisição de um idioma que não seja o nativo não traz nenhum prejuízo à língua materna. Morando no Brasil, o tempo de exposição da criança ao português é muito maior do que ao inglês. 

E como dica, recomendamos atenção à carga horária. De acordo com a Organização das Escolas Bilíngues de São Paulo, para ser qualificada como bilíngue uma escola deve oferecer:

  • Educação Infantil: mínimo de 75% da carga horária diária em outro idioma, que não o Português.
  • Ensino Fundamental I: mínimo de 1/3 da carga horária diária em outro idioma, que não o Português.
  • Ensino Fundamental II e Ensino Médio: mínimo de 1/4 da carga horária diária em outro idioma, que não o Português.

Consulte aqui nosso FAQ sobre educação bilíngue

Salas de aula flexíveis

Espaços flexíveis na escola: afinal, o que isso significa?

Iluminação, acústica, disposição dos móveis, cores, organização espacial … o que tudo isso tem a ver com educação? O super bem-sucedido sistema educacional da Finlândia, por exemplo, possui o mantra: “uma arquitetura melhor contribui para uma melhor experiência escolar”. Nos últimos anos, o termo classroom design tem ganhado força apoiado em pesquisas que mostram o impacto significativo que o espaço de aula exerce sobre o progresso acadêmico das crianças.

Um estudo de 2015, publicado no site Building and Environment, indicou que alguns elementos essenciais da arquitetura em sala de aula podem aumentar os resultados de aprendizado em até 16%. Fatores como a qualidade do ar e iluminação afetou positivamente a habilidade dos alunos de aprender. Outro levantamento aponta que as salas de aula são mais acolhedoras quando de 20% a 50% das paredes estão limpas e os espaços remanescentes, preenchidos com dicas de aprendizagem, cartazes e projetos.

Há poucas semanas, o Google for Education, plataforma educacional colaborativa, publicou o relatório global Future of the Classroom, que analisa tendências, baseadas em pesquisas, para a educação em sala de aula para as faixas do Ensino Fundamental ao Médio. No total, são apresentadas oito tendências, sendo uma delas os espaços colaborativos.

Abertura, flexibilidade e colaboração

De acordo com o material do Google, escolas que combinam espaços abertos e diferenciados com modelos mais convencionais são apontados como líderes para a inovação na aprendizagem.

O fato é que cada vez mais ganha força a ideia da sala de aula como o “terceiro professor”, atrás das famílias e dos educadores. E, por isso, as instituições de ensino concentram esforços em construir espaços educativos que encorajam a criatividade, colaboração e flexibilidade.

O formato tradicional de sala de aula, com os alunos em filas e o professor como figura central, isola as crianças e limita o seu aprendizado. Já os novos espaços flexíveis são projetados tendo a colaboração em mente. Mesas e cadeiras devem ser facilmente móveis para acomodar diferentes cenários de aprendizado para grupos de vários tamanhos. Ao oferecer opções de assentos (puffs, estações de trabalho individuais, almofadas, sofás), por exemplo, os educadores permitem que os alunos escolham onde sentar, dando a eles o poder de escolha e estabelecendo o sentido de comunidade ao ambiente de ensino. Os espaços flexíveis e colaborativos são responsáveis por aumentar em 30% o engajamento das crianças em sala de aula.

Espaços flexíveis: quebra de paradigmas

Um sentimento comum com a qual os educadores precisam lidar ao investirem em novos formatos para as salas de aula é o receio das famílias. A maioria pertence a gerações que vivenciaram outras experiências e interações. Logo, imaginar seus filhos sentados ou deitados em puffs durante o processo de aprendizado desperta dúvidas.

No aspecto físico, basta um exercício de memória: o quanto era confortável permanecer por mais de uma hora na mesma posição? De acordo com a professora Ana Luiza Azevedo, a concentração tem muito mais relação com o interesse na atividade do que com onde estamos sentados. “O trabalho em grupo é proveitoso para as crianças, que ampliam a sua capacidade de comunicação, discussão, reflexão, levantamento de hipóteses e interação, habilidades tão importantes hoje em dia”, explica.

Ela lembra que a maneira como nos relacionamos com o conhecimento mudou. “Nós, professores, precisamos admitir que não sabemos tudo e não temos todas as respostas. Nossos alunos aparecem com demandas que não tinham antes e, quando nos perguntamos de onde vem tudo isso, chegamos à conclusão que é o conhecimento. Temos um acesso à informação que não tínhamos antes. Qualquer dúvida é tirada em questão de segundos com uma pesquisa em um celular”, conclui.

Dessa forma, um modelo de educação em que o professor fica na frente da sala, anotando na lousa e os alunos copiando faz cada vez menos sentido. A inovação é entendida como a aplicação de melhores soluções que atendam aos novos requisitos. Uma vez que a educação tem novos requisitos, pois os alunos têm novos interesses e possibilidades, precisamos pensar em novos modelos que se refletem em espaços com mobilidade, flexíveis e colaborativos.

Quer saber mais sobre o assunto? Confira outros artigos do blog:

Espaços inovadoras na escola: funcionam?

Educação com amor: o que é a aprendizagem socioemocional?

Como a arquitetura trabalha a favor de uma escola sustentável?

Inovação é a cara da Builders

FotoB1

Por que as histórias são tão importantes para as crianças?

A contação de histórias é um mecanismo muito importante para que tenhamos, desde cedo, contato com diversas linguagens e formas de narrar um acontecimento, e a infância é a fase ideal para despertar esse interesse.

As histórias infantis levam as crianças para um mundo imaginário e simbólico, com o qual fazem associações com suas próprias vivências. Esse processo de identificação permite que criem meios de lidar com suas dificuldades, sentimentos e emoções e estimula a memória, já que resgata as experiências de cada um.

Os benefícios de ingressar nesse universo rico e mágico não param por aí. Por meio da contação de histórias, as crianças ampliam a linguagem oral e desenvolvem competências linguísticas e o letramento, que é o uso competente da leitura e escrita nas práticas sociais.

Tudo começa com o livro

De acordo com as coordenadoras pedagógicas Marieta Lefèvre e Karina Yada, das escolas Builders Educação Bilíngue e Garatuja Educação Infantil, é fundamental para qualquer criança ouvir histórias. “Pelo livro, aprendemos a importância de ouvir, contar e recontar”, explica Marieta. “Aqui na Builders, apresentamos histórias quase que diariamente em projetos de Cultura Brasileira e em inglês, ampliando assim o vocabulário nos dois idiomas”, completa.

Builders e Garatuja mantêm uma biblioteca circulante: os alunos levam livros à escola e estes irão circular semanalmente nas casas dos colegas para serem lidos pelas famílias. Quando retornam, as professoras conduzem rodas para troca de informações e livros. “São momentos muito inspiradores, pois estimulam conversas e situações problema para os alunos pensarem coletivamente”, explica Karina Yada.

Além disso, as duas escolas, que seguem a mesma proposta pedagógica, implementaram o “Storytellers”, programa em que as famílias participam das aulas por meio da contação de histórias. “A experiência tem sido fantástica em todos os sentidos. Cada família traz uma vivência e dinâmica diferentes, como a leitura de um livro, uma história cantada, a encenação de um conto ou até mesmo projeções como recurso para a contação, sem falar na incrível atmosfera criada com a presença da família na escola”, finaliza Karina.

Histórias em família

Por sinal, os pais são grandes incentivadores na formação dos hábitos na criança, e com a leitura não é diferente. Quem ouve histórias desde bebês e mantém o hábito de ler com a família desenvolve o senso crítico e alimenta a curiosidade em relação ao que vê no seu dia a dia. A influência em casa passa tanto pelas imagens que as crianças formam ao perceberem o hábito de leitura dos pais, quanto pela ação deles de conversar com elas sobre os livros.

Não é preciso estabelecer um padrão na hora de escolher a história, mas é preciso levar em consideração, por exemplo, a idade da criança. Durante os dois primeiros anos de vida, a atenção dos pequenos é conquistada pelas figuras. À medida que crescem, é possível combinar ilustrações a enredos simples, permitindo a criação de uma narrativa, em qualquer gênero literário.

Outro recurso é a criação de histórias, trazendo a narrativa para o mundo particular em que a criança vive. Se a imaginação falhar na hora da contação, os pais podem começar a elaborar tramas sobre a própria infância. Já, quando é a criança que vai criar a história, objetos e bonecos podem ajudar.

E então, que tal buscar agora alguma referência de leitura ou contação de história para compartilhar em família?

ansiedade na infância

Ansiedade na infância

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), a ansiedade atinge 9% da população brasileira, e os casos em pacientes mais jovens vêm aumentando. Cerca de 10% de todas as crianças e adolescentes têm (ou terão) algum tipo de ansiedade, de acordo com pesquisa desenvolvida por Fernando Asbahr, professor de Psiquiatria da Faculdade de Medicina da USP.

Ansiedade é uma reação que todo indivíduo experimenta diante de algumas situações do dia a dia, como falar em público, expectativa de uma viagem ou festa de aniversário, vésperas de provas, exames de saúde. Algumas pessoas, porém, vivenciam essa reação de forma mais frequente e intensa, que pode ser considerada patológica e comprometer a saúde emocional.

De acordo com o DSM-5 (Manual de Diagnóstico e Estatística dos Transtornos Mentais), os transtornos de ansiedade incluem transtornos que compartilham características de medo e ansiedade excessivos e perturbações comportamentais relacionadas.

Medo é a resposta emocional à ameaça iminente real ou percebida, enquanto ansiedade é a antecipação de ameaça futura. O medo é com mais frequência associado a períodos de excitabilidade aumentada, necessária para luta ou fuga, pensamentos de perigo imediato e comportamentos de fuga. Os ataques de pânico se destacam dentro dos transtornos de ansiedade como um tipo particular de resposta ao medo. Já a ansiedade é mais frequentemente associada à tensão muscular e vigilância, em preparação para perigo futuro e comportamentos de cautela ou fuga.

Em crianças e adolescentes, os quadros mais frequentes são o transtorno de ansiedade de separação (TAS), o transtorno de ansiedade generalizada (TAG) e as fobias específicas (FE), sendo a social a de maior incidência.

Reconhecendo os sinais

O TAS caracteriza-se por uma angústia excessiva da criança ao se separar dos pais e é mais comum em crianças menores, entre seis e oito anos de idade. Cenas dramáticas ocorrem durante despedidas. Depois que os pais vão embora, a criança fica com ideia fixa no reencontro: ela precisa saber onde estão e fica com medo de que algo terrível aconteça. Viajar sozinha incomoda, e ela pode se recusar a ir à escola, acampamento, a uma visita ou a dormir na casa de amigos. É comum o desenvolvimento de sintomas físicos, como dores de cabeça ou de estômago.

Já o TAG aparece mais comumente em adolescentes, mas pode afetar pessoas de todas as idades. É um quadro de preocupação excessiva ou expectativa apreensiva, persistente e de difícil controle, que perdura por seis meses no mínimo e vem acompanhado por três ou mais dos seguintes sintomas: inquietação, fadiga, irritabilidade, dificuldade de concentração, tensão muscular e perturbação do sono.

As FE são bastante comuns: medo de animais, avião, elevador, trovão. Podem se transformar em transtornos de pânico e fobias sociais quando não identificadas e tratadas adequadamente.

Apesar da existência de um quadro clínico para cada um, a maioria das crianças apresentará mais de um transtorno ansioso, a chamada comorbidade. A ansiedade pode até atrapalhar o desenvolvimento, mas o problema é quando altera o dia a dia impedindo a criança de ir para a escola, de entrar numa loja, ou trazendo problemas de convivência.

Os gatilhos

Podem existir aspectos biológicos envolvidos, porém o comportamento dos pais é bastante relevante. Pais ansiosos influenciam sim a saúde dos filhos.Se há muita cobrança, expectativa e pressão constantes para que a criança seja feliz 100% do tempo, tenha notas excelentes e eficiência máxima em tudo, a tendência é que os pequenos se tornem vítimas de uma ansiedade constante, pelo medo de falhar e de não cumprir com as expectativas dos pais. Por outro lado, se a família consegue filtrar demandas e informações, provavelmente terá maiores chances de criar filhos que saibam lidar melhor com expectativas e realidade.

É possível apontar ainda as características da vida digital, que tem “criado” crianças desacostumadas a esperar. Quem nasceu a partir de 2010, vive o imediatismo, já que a tecnologia dita o rumo das relações. Dessa forma, a paciência tornou-se uma qualidade que não se desenvolve sozinha. Cabe às famílias e à escola envolvê-las em situações e brincadeiras que promovam a vivência do raciocínio e espera.

Mais conexões

Nos casos mais sérios, a família deve buscar auxílio especializado. Na própria escola, é possível encontrar uma rede de apoio que irá ajudá-la a encontrar o melhor caminho. “Meu papel como Orientadora Educacional na Builders é ajudar os alunos a reconhecer os próprios sentimentos e saber o que fazer com eles. Os projetos socioemocionais trabalhados vão gerar autoconhecimento e desenvolver habilidades importantes na resolução dos conflitos internos. A parceria com as famílias é fundamental neste processo para, juntos, entendermos o momento e a particularidade de cada criança. Há situações em que o encaminhamento para um especialista é necessário, porém sempre com o acompanhamento próximo da escola para que a criança conquiste um conviver mais saudável e harmonioso”, explica Cristina Zanetti.

Ela pontua que as coisas mais simples da vida são as que promovem a maior conexão da criança consigo mesma e com as pessoas ao seu redor. “O brincar ao ar livre de pé no chão, o contato com a natureza, o desconectar-se da tecnologia, o permitir-se relaxar e respirar são atitudes que devem estar no cotidiano de crianças e adultos”, pontua. “Esses são momentos importantes de troca de afeto, que fortalecem a relação entre pais e filhos, em que as cobranças e pressões são deixadas de lado. São momentos que trazem conforto e equilíbrio, aliviando a ansiedade e resgatando a qualidade de vida!”, finaliza.

Fonte:

Revista Saúde

Blog Dráuzio Varella

Revista Crescer

Relação escola e família

Escola e família: novos caminhos para uma relação antiga

A escola do seu filho está aberta à participação das famílias? Você se envolve na educação das crianças em casa e na escola?

A relação escola e família vem passando por mudanças significativas, retratadas em recente estudo conduzido pelo Escolas Exponenciais* com 150 mil famílias de todo o Brasil. O relacionamento próximo e participativo com a escola é o aspecto mais importante para 41% das famílias na relação com a escola dos seus filhos.

Por muito tempo, as escolas não investiram no engajamento familiar, pois achavam que não podiam. Os educadores acreditavam que as famílias não queriam se envolver. Na verdade, elas não faziam ideia de como poderiam ser mais participativas ou se sentiam, por vezes, hesitantes por não terem tempo livre.

O fato é que, apesar dos “desencontros”, todos querem que essa relação melhore.

Comunicação sem entraves

Um envolvimento bem-sucedido dos pais pode ser medido por sua participação ativa e continuada. Em casa, eles podem ajudar as crianças em seus projetos escolares, ler um livro com elas e conversar sobre sua rotina e experiências na escola. No ambiente escolar, podem se envolver em atividades voluntárias com outros grupos de pais ou dentro da sala de aula.

“Na Builders, é fundamental termos a família próxima na rotina escolar. Isso cria o sentido de comunidade”, explica Ana Célia Campos, diretora pedagógica da escola. Contamos com cinco programas, cada um com um propósito próprio, dando possibilidades às famílias de se engajarem naqueles com os quais sentem mais afinidade”.

A participação da família na comunidade escolar beneficia outro elemento importante em qualquer relação: a comunicação, que fica mais fluida e regular, desmistificando assim o processo de aprendizagem.

E o desempenho da criança, como fica?

Educadores que focam no engajamento familiar sentem uma mudança significativa em seus alunos. Quanto mais os pais se envolvem na educação da criança, melhor sua motivação, comportamento e desempenho.

Quando famílias e educadores trabalham em parceria para criar um ambiente escolar próspero, o efeito nas crianças é profundo: desempenho, assiduidade e auto-estima melhoram.

Só que os alunos não são os únicos que se beneficiam: professores e pais também. Os educadores podem preparar as famílias a ajudar as crianças em casa com seus projetos e atividades. Pais engajados tendem a valorizar ainda mais o papel do professor.

Alunos com famílias participativas na escola são mais propensas a:

  • Melhor desempenho escolar
  • Melhor autoconfiança e motivação na sala de aula
  • Melhor habilidades sociais e comportamento

Para conhecer os programas com famílias da Builders, clique aqui.

*Escolas Exponenciais é a maior comunidade de inovação e gestão escolar do Brasil. Para saber mais, clique aqui.

Socioemocional na escola

Socioemocional nas escolas: agora é lei!

Até 2020, todas as escolas brasileiras deverão incluir em seus currículos as habilidades socioemocionais, seguindo as novas diretrizes da Base Nacional Comum Curricular (BNCC), documento oficial que orienta os currículos das escolas do Brasil (rede pública e privada).

Do ponto de vista educacional, as competências socioemocionais ajudam os alunos a lidar com os desafios e situações cotidianas. É um tipo de abordagem que promove o pensamento autônomo e suas potencialidades por meio do desenvolvimento do autoconhecimento, autocontrole e consciência social.

Resultados baseados em pesquisas

As habilidades socioemocionais ganharam reconhecimento nos últimos anos devido à percepção de que, quando os alunos aprendem a administrar as próprias emoções, é possível notar um impacto positivo na maneira como absorvem o conteúdo.

Recente estudo realizado pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) com 9.608 alunos, de 10 a 17 anos de idade, analisou os níveis de autocontrole, empatia, autoconhecimento e habilidades sociais após terem participado do programa Semente, realizado em diversas escolas brasileiras com o objetivo de desenvolver o socioemocional de crianças e adolescentes. Impactos positivos foram verificados em todos os domínios avaliados: em empatia cognitiva emocional, variou 2,3%; em autoconhecimento, aumentou 13,5%; autocontrole, 13,9%, e as habilidades sociais, 7,2%.

O ensino de habilidades socioemocionais impacta também o desempenho nos estudos. De acordo com pesquisa do departamento de psicologia da Universidade de Chicago (EUA) realizada com 270 mil alunos da pré-escola ao ensino médio e submetidos ao aprendizado de competências socioemocionais, houve melhora de 11% em suas notas.

O preparo dos professores

Segundo o psiquiatra chileno Claudio Naranjo, indicado ao prêmio Nobel da Paz em 2015, o aluno aprende mais facilmente qualquer conteúdo quando uma didática afetuosa é adotada. Para ele, o educador tem função de levar o aluno a descobrir, refletir, debater e constatar. “Na Fundación Claudio Naranjo, criamos um método para formação de educadores baseado em mais de 40 anos de pesquisa. O objetivo é preparar professores para que se aproximem dos alunos de forma mais afetiva e amorosa, para que sejam capazes de conduzir as crianças ao desenvolvimento do autoconhecimento, respeitando suas características pessoais”, explica em entrevista à revista Época.

Para a diretora pedagógica Ana Célia Campos, a educação socioemocional requer um preparo diferente do educador, até então acostumado ao modelo de ensino focado na transmissão de informações, tendo o professor como o grande pilar de conhecimento. “Ao iniciar o processo da educação através do amor, o educador se depara com a tarefa do autoconhecimento. Isso significa que precisa estar consciente de suas emoções (especialmente as negativas) e limitações. Ao se descobrir, passa a se aceitar, mas sem deixar de lado a busca pelo aprimoramento que irá guiá-lo por um caminho mais suave em que dedica-se aos seus alunos da mesma maneira que se dedica a si próprio.

Para mais informações sobre a aprendizagem socioemocional, confira entrevista com Ana Célia Campos.

Ensino bilíngue

Bilíngue, por quê?

Esta é uma pergunta comum de quem está em busca de uma escola para crianças. Apostar no ensino bilíngue ainda na educação infantil traz benefícios que vão além da fluência em um outro idioma.

Não há mais dúvidas. O aprendizado de línguas influencia positivamente a formação cerebral. Ele estimula a criatividade, o raciocínio lógico e o desempenho em atividades de memória e atenção. Por muitos anos, o bilinguismo era visto como uma condição que confundia as crianças e as impedia de aprender corretamente uma das línguas.

Na década de 60, os psicólogos Elizabeth Peal e Wallace Lambert, da Universidade McGill, no Canadá, realizaram estudos que provaram o contrário. Testes com crianças de 10 anos de idade de seis escolas francesas de Montreal mostraram que indivíduos bilíngues superaram os monoglotas em testes verbais e não-verbais. Os resultados dos estudos foram divulgados no artigo The relation of bilingualism to intelligence. De lá para cá, várias outras pesquisas atestaram que o bilinguismo favorece a melhora da concentração mental. E mais: crianças que aprendem uma segunda língua cedo têm uma sensibilidade comunicativa maior e conseguem resolver problemas e arquitetar soluções mais rápido.

Como a criança absorve um novo idioma?

A fase da primeira infância, que vai até os seis anos de idade, é marcada por intensos processos de desenvolvimento. Ao começar a alfabetização, as crianças já têm pleno domínio verbal sobre a língua. A comunicação é feita perfeitamente, mesmo que não saibam ler e escrever. Expô-las ao aprendizado de um novo idioma fará com que aprendam de maneira mais orgânica e natural que um jovem ou adulto. Ao longo da vida escolar, em um ambiente bilíngue, os alunos são capazes de se expressar tanto oralmente como pela escrita nos dois idiomas, criando uma “ponte” entre ambas que enriquece cada momento de aprendizagem.

Engana-se porém quem acredita que basta expor a criança a um novo idioma que ela naturalmente irá adquirir fluência. De acordo com a diretora pedagógica da Builders, Ana Célia Mustafá Campos, a aquisição do segundo idioma ocorre aos poucos. “A exposição ao inglês na Builders acontece em situações contextualizadas e significativas. A partir do momento em que ingressam na escola, os alunos gradativamente conseguem seguir instruções, ampliam o vocabulário, e se tornam cada vez mais capazes de se expressar no idioma”, complementa.

Uma escola pode ser qualificada como bilíngue quando oferece:

  • Educação Infantil: mínimo de 75% da carga horária diária em outro idioma, que não o Português.
  • Ensino Fundamental I: mínimo de 1/3 da carga horária diária em outro idioma, que não o Português.
  • Ensino Fundamental II e Ensino Médio: mínimo de 1/4 da carga horária diária em outro idioma, que não o Português.

Fonte: Organização das Escolas Bilíngues de São Paulo (OEBI)

Ainda tem dúvidas sobre o ensino bilíngue na infância, clique aqui e confira nossas respostas para as principais dúvidas das famílias.

Photo by Miller School of Albemarle

Relato de um jovem bilíngue

Nasci em uma família bilíngue. Minha mãe, uma apaixonada pela língua inglesa, nunca utilizou um único idioma como o principal em casa. Minhas lembranças de infância, ainda como um bebê, remetem aos (quase) diálogos que eu tinha com ela em línguas diferentes. Meu nome é Lucas Mariutti, e esta é uma tentativa de resumir minha vida como um menino bilíngue.

A palavra sorte define a situação em que nasci. A Builders não era a minha única escola: quando eu voltava para casa, continuava imerso na língua e cultura inglesa. Tudo o que fazíamos em português era reproduzido em inglês. A conversa diária, a música no carro, os filmes, a brincadeira de carrinho… a gente fazia tudo junto e misturando os dois idiomas.

Hoje vejo muitos pais se preocuparem com a imersão de seus filhos no inglês, com medo de que não aprendam o português ou que fiquem com um sotaque “gringo”. Para você que faz esses questionamentos, aqui vão algumas dicas de alguém que viveu intensamente em um ambiente bilíngue:

1) Moramos no Brasil, um país onde a única língua falada é o português. Logo, esse será o idioma mais familiar para a criança, que terá naturalidade para falá-lo. Tome meu caso como exemplo: sempre fui bilíngue, mas não nativo. Logo, nunca “soei” como um “gringo” pelo fato de morar no Brasil.

2) O período de prática do inglês de um aluno da Builders geralmente acontece só na Builders. Poucos são sortudos o suficiente para falar outras línguas, além do português, em ambientes fora da escola.


3) A Builders não é uma escola internacional. O seu filho vai aprender português do mesmo jeito que o inglês. E, mesmo que fosse escola internacional, a probabilidade dele não saber falar português crescendo no Brasil é zero.

De malas para o mundo


Aos 14 anos mudei de país. Fui fazer o High School nos Estados Unidos, onde estou até hoje.

Cansei de responder perguntas de familiares e amigos como “você se adaptou bem?”, “e o inglês?”. O fato é que não houve adaptação. Em menos de um mês consegui assimilar meu sotaque com o de um americano. Meus amigos da escola ficavam surpresos quando descobriam que eu era brasileiro. Diziam: “mas você não tem sotaque de gringo!” Sorte? Acho que não.

Outro exemplo é o meu irmão, Thomas. Foi morar fora sozinho antes do que eu. Sua história é parecida com a minha; aliás, a minha é parecida com a dele. A língua nunca foi uma barreira para nós. Não há uma preferência, o nosso nível de conhecimento é igual para ambas, graças à escola bilíngue desde pequenos. (confira o artigo Educação bilíngue: onde e quando começar).

Sou extremamente grato a minha família por me incentivar a estudar um segundo idioma e à equipe da Builders por ter moldado quem eu sou hoje. Sem eles, eu não teria conseguido nem metade do que já fiz em 17 anos. Morar por conta própria no exterior seria inimaginável se eu não falasse o inglês.

Lucas Mariutti é ex-aluno da Builders. Mora atualmente nos Estados Unidos, onde cursa o High School.